RONDONOTICIAS quinta-feira, 24 de setembro de 2020 - Criado em 11/10/2001

Internações de crianças por doenças respiratórias dobram em áreas de queimadas na Amazônia

Foram 30 mil internações nos 9 estados da Amazônia Legal de janeiro a junho. Os estados mais afetados foram Pará, Rondônia, Maranhão e Mato Grosso.


G1

Publicada em: 02/10/2019 12:26:35 - Atualizado

BRASIL: Dobrou o número de internações de crianças com problemas respiratórios nos nove estados que fazem parte da Amazônia Legal, de acordo com estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). De janeiro a junho deste ano, o SUS registrou 30.546 hospitalizações –aproximadamente 5 mil por mês – enquanto o esperado para o período era de aproximadamente 2,5 mil.

O número de hospitalizações não corresponde exatamente ao número de pacientes, que eventualmente podem ter retornado ao hospital mais de uma vez durante o período.

O balanço foi publicado nesta quarta-feira (2) pela Fiocruz e analisa o aumento em aproximadamente 100 municípios da região Amazônica.


“Crianças são mais sensíveis a fatores externos, como a poluição. Seu sistema imunológico ainda está em desenvolvimento e o aparelho respiratório, em formação. São mais suscetíveis a alergias” - Christovam Barcellos, um dos autores do estudo


Áreas mais afetadas

O levantamento destaca os estados do ParáRondôniaMaranhão Mato Grosso como mais vulneráveis e aponta um aumento nas mortes de crianças por complicações respiratórias em cinco estados da região.

Os pesquisadores dizem que, em alguns municípios, as internações quintuplicaram. Foi o caso de Santo Antônio do Tauá, Ourilândia do Norte e Bannach, no Pará; Santa Luzia d'Oeste, em Rondônia; e Comodoro, no Mato Grosso.

Roraima apresentou o maior aumento nos casos de morte. Em 2018, o estado registrou 1.427 mortes a cada 100 mil crianças, número que neste ano foi de 2.398.

A pesquisa alerta que viver em uma cidade próxima aos focos de incêndio pode aumentar em até 36% o risco de internação por problemas respiratórios. De acordo com a fundação, as queimadas deste ano acarretaram em um custo excedente de R$ 1,5 milhão ao Sistema Único de Saúde (SUS).

População indígena

O estudo chama a atenção para o fato de que as populações indígenas são vulneráveis a esta poluição do ar, entretanto, reconhece que não é possível ainda avaliar a incidência de doenças nessas áreas.

Registros de satélite utilizados pela equipe de pesquisa denunciam que focos de calor estão nas bordas de terras indígenas. De acordo com o estudo, estas desempenham um papel de proteção contra queimadas e desmatamento na região amazônica.

“As queimadas na Amazônia representam um grande risco à saúde da população”, ressalta o estudo. “Os poluentes emitidos por estas queimadas podem ser transportados a grande distância, alcançando cidades distantes dos focos de queimadas."

Os pesquisadores explicam que estes dados são preliminares, e que ainda pode aumentar quando todas as internações do período sejam adicionadas ao sistema.


Fumaça vai além

O chamado “material particulado”, resíduo tóxico gerado por queima, pode alcançar grandes cidades a centenas de quilômetros dos focos de queimadas, devido ao transporte de poluentes pelos ventos, diz a pesquisa.

É o caso de quando o dia virou noite em São Paulo em agosto desse ano, o fenômeno estava relacionado à chegada de uma frente fria e também de partículas oriundas da fumaça produzida em incêndios florestais.

O estudo alerta que os poluentes liberados pelas queimadas podem causar o agravamento doenças cardíacas, inflamação das vias aéreas, alterações no sistema circulatório, no sistema nervoso e até mesmo danos ao DNA, com potencial cancerígeno.




MATÉRIAS - DENÚNCIAS - VÍDEOS - FOTOS

Fale com a redação do Rondonotícias redacao@rondonoticias.com.br