publicidade

​Analise e organize suas finanças no segundo semestre, por Dora Ramos

*Por Dora Ramos

A última Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor realizada pela Confederação Nacional do Comércio indicou uma queda no total de endividados: em maio de 2018, 59,1% dos consumidores não conseguiram pagar suas contas, enquanto no mesmo período do ano passado o número chegou a 60,7%. Embora tenha sido registrada uma tímida melhora no índice de inadimplência, o primeiro semestre ainda é marcado por dificuldades financeiras para a maioria da população.

Se na sua casa as contas pareceram “não fechar” no início do ano, chegou o momento de analisar e organizar as finanças para ter um semestre mais tranquilo, afinal, 2019 logo chegará e ninguém deseja iniciar um novo ano perdido em meio às dívidas e sem perspectivas de melhoria, não é mesmo?

Para fazer o balanço financeiro, você pode começar com uma planilha que contenha seus principais gastos desde o início do ano. Se tiver dificuldades com esse método, opte por uma agenda de papel ou um aplicativo de finanças, mas reúna todas as informações no mesmo lugar.

Nesse momento, você deve registrar as contas básicas e maiores e também as mais pequenas. Visualizando os números, fica fácil perceber quantos e quais bens supérfluos você adquiriu para não repetir a dose no segundo semestre. Aproveite essa hora para checar os prazos de vencimento das dívidas contraídas em longo prazo – especialmente em cheques, carnês e cartões de crédito – e evite que fiquem contas para os últimos meses ou para o próximo ano.

Também é importante programar-se para criar um fundo para as despesas de início de ano. Lembre-se que em seis meses começam a chegar os impostos e contas como IPVA, IPTU, rematrícula e material escolar; e, se for possível reservar dinheiro para quitá-las com antecedência, você pode aproveitar o 13º para fazer uma viagem e aplicar uma parcela em sua reserva de emergência.

Entrar em situação de endividamento compromete o bem-estar de qualquer pessoa, por isso, o mais indicado é que se tenha bom senso e não gastar de maneira irresponsável. É preciso olhar para a atual conjuntura econômica com uma visão mais analítica, comprar de forma mais consciente e diminuir gastos desnecessários.

Para evitar complicações financeiras, é fundamental fazer uma programação, manter o foco em gastos realmente imprescindíveis e evitar o acúmulo de dívidas para o final de ano, afinal, manter as contas em dia e o nome limpo é um fator importantíssimo para encerrar 2018 com tranquilidade e de bem com a vida!

*Dora Ramos é orientadora financeira, especialista em Contabilidade e diretora da Fharos Contabilidade & Gestão Empresarial (www.fharos.com.br).

fonte:

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade.

publicidade